Este website utiliza cookies para melhorar a navegação. Ao navegar no website estará a consentir a sua utilização. Para saber mais clique aqui.

SÁBADO por C-Studio

Partilhe nas Redes Sociais

Powered by

Unibanco

12 relógios muito badalados

12 relógios muito badalados

Relógios há muitos, mas estes vão deixá-lo com um sorriso na cara.

Está de parabéns! Se gosta de relógios mecânicos, significa que tem bom gosto para apreciar estes belos exemplos de engenho e criatividade humanas. Sobretudo nesta era do “digital efémero”, em que é cada vez mais importante apostar em valores mais perenes. Relógios há muitos, mas estes 12 melhores do ano (até agora!) vão dar-lhe a volta à cabeça – ou pelo menos deixar um sorriso na cara sempre que os colocar no pulso.

  • Glashütte Original, Senator Excellence Perpetual Calendar

    Despido de grandes decorações, este Glashütte afirma-se precisamente pela forma como usa o movimento para dar mais brilho ao relógio, revelando parte do funcionamento. Acabamentos com um nível de detalhe impressionante, e o calibre – com calendário perpétuo – é uma obra-prima da relojoaria moderna.

    Saiba mais
  • Montblanc, 1858 Geosphere

    Consegue ter um look vintage, e ao mesmo tempo moderno. Tudo graças aos dois hemisférios que ornamentam a parte frontal do mostrador e que funcionam também como “horas mundo”, girando inversamente ao longo de 24 horas. O modelo surge para celebrar os 160 anos da manufactura Minerva (hoje na Montblanc), mas também a conquista dos sete cumes mais altos em cada continente, um feito alcançado por menos de 500 pessoas, incluindo os portugueses João Garcia e Ângelo Felgueiras. Pode inclusivamente ganhar um, clicando em baixo.

    Saiba mais
  • Omega, Speedmaster Dark Side of The Moon Apollo 8

    Foi há 50 anos que a Apollo 8 orbitou a Lua pela primeira vez, e foi o sucesso desse voo que permitiu a alunagem no ano seguinte. Ao entrar no dark side, e sabendo que ia perder as comunicações com a Terra, Jim Lovell proferiu uma famosa frase:

    Saiba mais
  • Omega, Speedmaster Dark Side of The Moon Apollo 8

    “We’ll see you on the other side” (vemo-nos do outro lado), tal como se pode também ler aqui. Lovell levava um Omega no pulso, claro, tal como todos os astronautas das missões Apollo, o que justifica esta edição comemorativa do Dark Side. Cronógrafo, corda manual, caixa em cerâmica e o mostrador e movimento decorados como se fossem a superfície lunar. Tudo dark, obviamente.

    Saiba mais
  • Bulgari, Serpenti Tubogas

    Bulgari, Serpenti Tubogas

    Ouro amarelo? Rosa? Branco? Porquê escolher? Com esta Serpenti, os três tipos fundem-se numa mesma (e icónica) bracelete. Pela qual inúmeros pulsos anseiam desde os anos 1960. Aliás, a Bulgari leva já 100 anos a desenhar relógios-jóia, e a colecção Serpenti não é o único foco de interesse, esse passa também por outro modelo feminino comemorativo com repetição de minutos.

    Saiba mais
  • H. Moser & Cie, Endeavour Tourbillon Concept

    A simples elegância deste relógio é admirável. E sem qualquer tipo de marca, ou outra indicação no mostrador, cabe ao turbilhão fazer (todas) as honras. Aliás, é para lá que o sfumato – revelador de uma impressionante técnica – aponta. Apesar de não ter qualquer referência à marca, e de esta ser apenas uma pequena e independente manufactura, é impossível escapar ao olhar de um conhecedor.

    Saiba mais
  • Chopard, Happy Palm

    Modelo inspirado na famosa Palma de Ouro de Cannes que, nem de propósito, também é desenhada pela Chopard. E a marca de relojoaria e joalharia suíça assumiu o compromisso de utilizar apenas ouro 100% ético, ou seja, proveniente de empresas que respeitem as melhores práticas de sustentabilidade, quer ambientais quer sociais.

    Saiba mais
  • Chopard, Happy Palm

    O Happy, no nome, vem dos diamantes que, com a minipalma de ouro, “dançam” dentro do mostrador. E no verso a própria platina e rotor do movimento automático foram trabalhados para recriar a palma.

    Saiba mais
  • IWC, Tribute to Pallweber

    A IWC celebra 150 anos e os seus lançamentos comemorativos estendem-se a todas as linhas: Da Vinci, Aviador, Portofino e Português, claro, onde estão alguns dos modelos mais complexos. Fora “de colecção” encontramos este tributo a Pallweber com indicação digital (de dígitos, bem entendido) das horas e minutos.

    Saiba mais
  • IWC, Tribute to Pallweber

    Trata-se de uma homenagem aos relógios de bolso que a marca fazia em finais do século XIX, e ao relojoeiro que os criou.

    Saiba mais
  • Rolex Advertising booklet from the 1950s

    Rolex, Oyster Perpetual GMT-Master II

    Quando começou a era da aviação moderna, nos anos 1950, tornou-se necessário criar um relógio que mostrasse efectivamente o tempo em dois locais diferentes. A Pan Am contactou a Rolex e assim nasceu o GMT-Master, o mais importante relógio da era do jet lag, que aqui vemos numa publicidade da época.

    Saiba mais
  • Oyster Perpetual GMT-Master II

    Rolex, Oyster Perpetual GMT-Master II

    A edição deste ano apresenta a mesma combinação de cores da luneta original, a Pepsi, assim chamada pelo vermelho e azul escolhidos para indicarem o dia e a noite. Já não se via esta combinação num modelo em aço há mais de uma década, pelo que o entusiasmo rodeando este relógio é inteiramente justificado. Some-se ainda a mítica bracelete em aço Jubileu, de cinco links, por oposição aos três mais comuns.

    Saiba mais
  • Panerai L'Astronomo

    O nome completo deste relógio é Panerai L'Astronomo Luminor 1950 Tourbillon Moon Phases Equation of Time GMT. O que, além da conotação majestática de tantos apelidos, tem pelo menos o condão de ser elucidativo. Assim sabemos que apresenta um turbilhão, fases da Lua (uma estreia para a Panerai, equação de tempo (a diferença entre o tempo solar e o tempo civil), e segundo fuso horário.

    Saiba mais
  • Panerai L'Astronomo

    Aqui, frente e verso assumem quase a mesma importância, até porque as fases da Lua no verso estão entre as mais bonitas alguma vez vistas.

    Saiba mais
  • Van Cleef & Arpels Lady Arpels Planétarium

    O universo cabe no seu pulso, e vem com diamantes… Mas este não é um relógio apenas para admirar, pois funciona realmente como planetário, e os planetas movem-se à velocidade real no sistema solar. Assim, a órbita de Mercúrio completa-se em 88 dias, a de Vénus em 224 e a da Terra em 365. Já a Lua gira em torno do nosso planeta em 29,5 dias. Quanto à estrela-cadente, na foto no topo, demora exactamente 12 horas no seu percorrido, pelo que serve como indicador de horas e minutos, ou por aí… O Lady Arpels Planétarium não é relógio para quem precise de chegar em ponto a lado nenhum.

    Saiba mais
  • Hublot Big Bang Referee 2018

    A Hublot é bem conhecida pelas suas extravagâncias relojeiras, mas com este Hublot Big Bang Referee 2018 World Cup Russia aderiu aos connected watchs. Tudo porque é parceira e cronometrista oficial da FIFA, e do Campeonato do Mundo de Futebol, e este relógio vai permitir aos árbitros – que o vão usar em campo – ficarem a saber, em tempo real, se a bola ultrapassou ou não a linha de golo, ligando-se ao sistema no estádio.

    Saiba mais
  • Hublot, Big Bang Referee 2018

    Os relógios para o resto da população não terão todas essas informações, mas darão acesso às equipas iniciais ou as estatísticas de jogo, bem como as notificações em tempo real dos golos e tempos de partida. Para estar sempre em cima do acontecimento. Isso mais as cores (bracelete e no mostrador) do país do coração, para gritar bem alto o amor por Portugal…

    Saiba mais
  • Zenith, Pilot Type 20 Chronograph Extra Special

    Quando Louis Blériot sobrevou pela primeira vez o Canal da Mancha, em 1909, levava um Zenith no pulso, um dos primeiros exemplares de relógios de aviador que se conhecem. Este Type 20 vai buscar muita inspiração a esse relógio, incluindo a grande coroa para ser manuseada com luvas. Esta versão é Extra Special porque a caixa em bronze vai continuar a evoluir ao longo da vida, ganhando um novo aspecto consoante o uso que lhe der. É o que se chama personalização “natural”.

    Saiba mais