Este website utiliza cookies para melhorar a navegação. Ao navegar no website estará a consentir a sua utilização. Para saber mais clique aqui.

SÁBADO por C-Studio

Partilhe nas Redes Sociais

Powered by

Unibanco

As melhores TV para ver o Mundial

As melhores TV para ver o Mundial

Sinta todas as emoções do estádio, no conforto e sossego do lar.

É óbvio que nada bate uma visita à Rússia para acompanhar a selecção, mas na impossibilidade de ver todos os sete jogos que a equipa das quinas vai fazer em terras russas (obviamente, ninguém nos pára!), então a melhor alternativa será mesmo acompanhar numa televisão com uma qualidade de imagem tão boa, mas tão boa, que até se consegue perceber se os relvados russos prejudicam – ou não – o futebol tecnicamente superior dos nossos rapazes…

Ainda por cima a RTP – numa parceria com a NOS – está a transmitir o Mundial em ultra-alta-definição (UHD), ou 4K como é mais conhecido, com uma resolução quatro vezes superior ao Full HD. Se ainda não conhece, prepare-se para ficar maravilhado com a diferença… E quando acabar o Mundial terá sempre o Netflix 4K, os filmes dos videoclubes das operadoras (só precisa de uma box compatível), e alguns canais (neste caso, poucos ainda) com esta definição. Além disso, todas estas televisões fazem também upscaling da resolução normal, o que não sendo exactamente a mesma coisa continua a ser bem melhor do que a imagem numa televisão normal. Como a resolução é superior, pode até apostar num ecrã maior (sabendo que o preço é sempre proporcional ao tamanho) do que numa televisão HD, porque o nível de detalhe assim o permite. No fundo, acabaram-se as desculpas, quer dizer, acabaram-se todas as desculpas menos uma: um Mundial chega de quatro em quatro anos e é a altura perfeita para um upgrade televisivo.

 

LG OLED

Há já algum tempo que a LG lidera no pequeno grande ecrã com a sua tecnologia OLED, de Organic Light Emitting Diode, que ainda por cima fabrica não só para si, mas para quase todos os outros rivais, com excepção dos também coreanos da Samsung. Como aqui cada partícula no ecrã é apenas iluminada se houver um impulso eléctrico directo, isso significa que os pretos são muito mais profundos do que nas tecnologias LED normais que estão sempre retroiluminadas. Para este ano, a LG optou por melhorar sobretudo o processamento de imagem (mais do que a tecnologia do ecrã), com ganhos ao nível do contraste e da nitidez.

LG OLED65C8PLA Tamanho de ecrã: 65’’; Som Dolby Atmos; Vídeo: HDR10, HDR10 Pro, HLG.

 

Samsung QLED

Para os gigantes coreanos, a tecnologia de ultradefinição passa sobretudo pela QLED, que é basicamente a mesma tecnologia dos televisores LED de alta-definição, mas com mais uns pontinhos dinâmicos a que chamaram de quantum dots.  Apesar de não ser física quântica, estes dots são uma espécie de filtro capaz de reproduzir mais e melhores cores. São por isso muito superiores aos LED normais, embora continuem a perder para a tecnologia OLED em dinâmica. Ainda assim, esta última versão deu já um salto qualitativo a ponto de ser muito complicado perceber a diferença. Além disso, por se basear em LED, acaba até por funcionar melhor em espaços com muita luz.

Samsung Q9FN QLED  Tamanho de ecrã: 65’’; Som: Dolby Digital Plus; Vídeo: HDR10, HDR10 Pro, HLG.

 

Sony Bravia AF8

A Sony entrou no mercado das TV OLED apenas no ano passado, com a A1, cujos modelos continuam no topo da oferta da Sony neste segmento. Já as AF8 chegaram este ano e pretendem oferecer o mesmo (ou quase) a um preço mais aceitável. É certo que o painel é da LG, mas o processamento de imagem é da Sony, assim como o design, que mesmo nestes modelos mais acessíveis continua a ter um look premium. Ao contrário da LG e da Samsung, que têm o seu próprio sistema operativo, as smart TV da Sony estão a apostar no Android TV, que acaba por ser menos intuitivo do que as anteriores, embora repleto de funções.

Sony Bravia KD-55AF8 Tamanho de ecrã: 55’’; Som: Dolby Digital Plus; Vídeo: HDR10, HLG.

 

Philips Ambilight 6000

Esta é uma televisão para desafiar expectativas. Sim, porque ninguém está à espera que uma televisão que custa 500 euros possa ter 4K com uma qualidade de imagem tão boa, mais um contraste tão alto e uma nitidez tão bem definida como esta Philips. Trata-se de uma televisão LED naturalmente, nada de OLED nem QLED aqui, mas o resultado é espantoso. Como se ainda não bastasse, ainda inclui o Ambilight, a retroiluminação exclusiva da Philips, que favorece a visualização de filmes.

Philips 50PUS6272 Tamanho de ecrã: 50’’; Som: Dolby Digital Plus; Vídeo: HDR.

 

Hisense 4K UHD Smart TV

A Hisense ainda não é propriamente um nome muito familiar, mas este Mundial promete alterar tudo isso. Começando pelo facto de ser uma das principais patrocinadoras do evento – ou seja, tudo o que é ecrã na FIFA é Hisense, marca gigante na China e que agora está em modo de internacionalização para o resto do mundo. Em TV UHD, a marca tem uma oferta bastante grande, a começar por este modelo de entrada de gama, com excelente imagem, som muito competente e uma relação qualidade-preço brutal.

Hisense H49N5700 Tamanho de ecrã: 49’’; Som: Dolby Audio Digital Plus; Vídeo: HDR 10, HLG.

 

Panasonic 55 OLED

A Panasonic é uma das marcas com mais saber acumulado no que toca a televisões, mas ainda assim chama gente de fora para ajudar no desenvolvimento de uma televisão. Foi o caso, tendo recorrido a técnicos de Hollywood para conseguir atingir esta fidelidade de cores impressionante. O design da televisão é extremamente fino e elegante, pelo que este é um dos melhores televisores OLED que vai encontrar. O sistema operativo recorre ao Firefox, que apesar de simples, acaba por ser bastante intuitivo.

Panasonic TX-55EZ952B Tamanho de ecrã: 55’’; Som: Dolby Audio Digital Plus; Vídeo: HDR 10, HLG.

 

Samsung The Frame

Como televisão, trata-se de um excelente LED, ao nível do melhor que a Samsung sabe fazer, mas a The Frame é especial por outros motivos. No sentido em que é suposto ser tanto televisão como peça de arte, porque quando não está on deve estar em art mode, imitando um quadro. A The Frame (a maior moldura na imagem) vem já com 100 obras de arte diferente carregadas, mas pode aceder a uma biblioteca com mais 300, que custam cerca de 20 euros cada. Neste caso, o consumo energético é bastante reduzido.

Samsung UELS003AUXZG Tamanho de ecrã: 55’’; Som: Dolby Audio Digital Plus; Vídeo: HDR 10, HLG. Preço: 2.000 euros

 

Hisense Laser TV

A Hisense, patrocinadora oficial do Campeonato do Mundo de futebol, tem, também, aquela que será a melhor televisão para ver as partidas do Mundial. Trata-se da Laser TV, um projector a curta distância capaz de gerar uma imagem de 100 polegadas numa tela. Caixa e tela funcionam na prática como um único elemento, já que o projector está colado à tela, que é de um material específico, para garantir uma qualidade de imagem sem defeitos ou reflexos A televisão tem resolução nativa de 4K, mas a grande novidade, ao contrário dos outros projectores 4K e de proximidade, é que este utiliza feixes de luzes laser, muito mais intensos do que os tradicionais LED (por segurança, desligam-se automaticamente caso alguém se aproxime da fonte de luz). A Hisense pode assim ser instalada em qualquer lugar, independentemente da luz ambiente.

Hisense Laser TV Model 100L8D Tamanho de ecrã: 100’’; Som: Dolby Audio Digital Plus; Vídeo: HDR 10, HLG. Preço: 14.000 euros