Este website utiliza cookies para melhorar a navegação. Ao navegar no website estará a consentir a sua utilização. Para saber mais clique aqui.

SÁBADO por C-Studio

Partilhe nas Redes Sociais

Powered by

Unibanco
Automóveis <em>vintage</em> Automóveis <em>vintage</em>

Automóveis vintage

Automóveis vintage

Há uma nova moda a varrer a indústria automóvel, e não se trata de carros elétricos, nem de condução autónoma, nem de qualquer outra inovação. Pelo contrário, a moda é criar novos modelos inspirando-se no passado. Aliando o charme de então à tecnologia de agora.


Publicado em 08-Jan-2019

“Já não se fazem carros como antigamente”. Mesmo quem nunca proferiu a frase já a ouviu certamente, e não há dúvida de que os automóveis antigos tinham qualquer coisa de especial. Fosse o design único, oposto aos modelos mais ou menos iguais que se fazem hoje, os manípulos em metal em vez de plástico, os assentos em bom cabedal… Por outro lado, também é verdade que saiam da fábrica com mais problemas, a começar pela segurança, bem pior tanto para os ocupantes do veículo como para os peões, os consumos elevados ou a fiabilidade desastrosa – felizmente que também eram muito mais fáceis de arranjar.
A boa notícia é que hoje em dia existem cada vez mais marcas à procura de juntar o melhor dos dois mundos: automóveis inspirados no design do passado e com todos os benefícios do mundo moderno. Para agradar aos mais nostálgicos entre nós, e não só.
O sucesso dos Mini e dos Fiat 500 já não é novidade. A Renault recriou há dois anos a Alpine, marca com um enorme pedigree desportivo desde os anos 1950, com vitórias em Le Mans ou no Campeonato mundial de Ralis, mas encerrada nos anos 90 para reduzir custos.


      O novo Alpine não ganhou apenas um design muito semelhante ao original, venceu também o carro desportivo de 2018 para a revista Top Gear e está na shortlist de finalistas nomeados para o prémio Automóvel do ano 2019.
      Paralelamente, repetem-se as notícias de que a Renault e a Citröen continuam a estudar novos desenhos para os míticos 4L e 2 Cv (respetivamente) e mesmo a Volkswagen, apesar de encerrar a produção do Carocha, já anunciou o ressuscitar de mais uma lenda do seu passado – a famosa pão de forma.
      A nova carrinha da Volkswagen vai continuar a ter o mesmo espírito rebelde e aventureiro, mas agora numa versão totalmente amiga do ambiente, ou seja elétrica, com nascimento previsto já para o ano.

          Nem a enorme Ferrari resistiu aos encantos do passado, apresentando dois modelos ultra exclusivos, os Monza SP 1 e SP2, nas versões de um e dois lugares. Ambos inspirados nas barchettas desportivas dos anos 1950 do Cavallino Rampante, que tanto sucesso tiveram em corridas míticas como as Mille Miglia e 24 horas de Le Mans. Em muitos casos às mãos de pilotos privados, que suportavam os custos da competição, os chamados Gentleman Drivers. No caso dos Monza, ambos ostentam o motor V12 mais potente construído pela Ferrari com 812 cavalos.

              Acompanhando o lançamento destes dois modelos, a marca de Maranello uniu-se a duas outras marcas italianas, a Berlutti e a Loro Piana, que desenharam uma coleção com sapatos e acessórios ideais para um gentlemen driver.

                  E o que dizer da Peugeot e do seu concept e-Legend, que a marca tanto está a publicitar e do qual até já falámos aqui? O e-Legend foi inspirado no modelo 504 desenhado por Pinifarina em 1969. E enquanto a Peugeot cria um concept inspirado no passado, a Aston Martin lança uma réplica exata do seu modelo mais conhecido, o DB5. Mais especial ainda, não se trata de um “mero” DB5 mas do carro de mr. Bond, James Bond. Não chega a ter metralhadoras nem lança rockets instalados por Q, mas tem placas de matrícula giratórias, e mais alguns gadgets totalmente operacionais, cortesia de Chris Courbould, especialista em efeitos especiais em nada menos do que oito filmes de Bond e que participou ativamente no projeto. Destes só se farão 25 exemplares, com a primeira entrega agendada para 2020, mas quem não gostaria de conduzir o veículo de 007? Até porque apesar de ser uma réplica tem algumas melhorias do nosso tempo. Não é exatamente isso que todos queremos? Para quem pode, obviamente.