Este website utiliza cookies para melhorar a navegação. Ao navegar no website estará a consentir a sua utilização. Para saber mais clique aqui.

SÁBADO por C-Studio

Partilhe nas Redes Sociais

Powered by

Unibanco

Dez truques infalíveis para organizar a casa

Dez truques infalíveis para organizar a casa

A véspera de Natal é um bom momento para arrumar a casa e fazer um balanço do que verdadeiramente precisa. Os espaços vão ficar maiores e mais funcionais e a sua casa mais confortável para receber amigos e família.

Para algumas pessoas a ordem é algo de inato, parece que têm sempre tudo sob controlo. Pessoas organizadas têm mais tempo livre porque, organizando melhor, têm mais tempo para se dedicar a outras coisas. Também não gastam tempo e dinheiro a comprar coisas de que não precisam, o que nesta época do ano é crucial. Mas não se deixe enganar, há truques para conseguir o milagre! Entre outros, dedicar cerca de 10-15 minutos de manhã e outros 10-15 minutos ao final do dia à arrumação. Seguindo todos os conselhos que aqui lhe deixamos (ou pelo menos alguns), conseguirá alcançar um patamar em que uma pequena manutenção regular será suficiente para manter a casa impecável, e já não precisará de gastar todo um sábado ou domingo a arrumar a confusão acumulada durante a semana.

Encontre um lugar para tudo e mude a sua vida

“Ter lugar para cada coisa e ter cada coisa em seu lugar” é o mantra de qualquer decorador, porque assim vai garantir uma arrumação fácil, prática e duradora. Use e abuse de caixas, cestos e separadores. Por exemplo, se todos os seus lenços estiverem na mesma caixa ou gaveta específica (e organizados por cores), vai encontrar rapidamente o que precisa (sem abrir todos os armários da casa) e não terá objetos misturados ou amontoados. Esta dica também é muito útil para perceber se tem tudo o que necessita ou se possui demasiadas peças de uma determinada categoria (por exemplo, demasiados cintos da mesma cor).

Organize com método

Comece a organizar por categorias, e não por divisão. E primeiro esvazie, limpe e só depois comece a organizar. Ou seja, se começar a organizar o seu roupeiro, esvazie todos os móveis da casa nos quais tem peças de vestuário. Só assim poderá perceber o seu volume real e descobrir se tem peças semelhantes ou “esquecidas”. Outra dica importante é começar pelo mais fácil de organizar, o que para a maioria das pessoas será a roupa, pois é geralmente o mais fácil de “descartar”. Depois chegará a hora dos livros, papéis, cozinha, casa de banho e, finalmente, os elementos sentimentais (fotos, lembranças…), os mais complicados.

Guarde apenas as roupas que realmente usa

Olhe com atenção e, se possível, experimente cada uma das peças que tem no armário. Fique apenas com o que veste (ou tem a certeza de vir a precisar), o que está em bom estado e o faz feliz. Não guarde roupas que já não usa a pensar que um dia vai utilizá-las ou que as vai vestir em casa (esse é o estilo de raciocínio que o leva a acumular tralha). Quando terminar de escolher as roupas, o normal é ficar com um terço do que tinha anteriormente.

Menos é mais

Livre-se de objetos desnecessários e supérfluos. Esta é uma das regras essenciais do design escandinavo, e do chamado Lagom, a receita sueca para uma vida feliz e equilibrada. Tenha em casa apenas o necessário para que seja um lugar confortável e acolhedor. Nem mais nem menos. Por cada jarra ou caixa em que pegar pergunte-se se realmente precisa dela. Se tiver dúvidas, é porque pode ser descartado. Lembre-se de que o maior inimigo da ordem é a acumulação de objetos. Por outro lado, a simplicidade é um símbolo de elegância e conforto.

Os móveis certos para cada espaço

Nem sempre o reaproveitamento é a melhor opção. Ao mudar de casa ou quando faz uma renovação, pense bem os espaços e as suas necessidades antes de tomar qualquer decisão de compra. O móvel certo (e, se possível, uma solução personalizada) pode dar ordem a uma divisão. Por exemplo, uma mesa de centro com gavetas é uma opção prática porque dá um espaço extra de arrumação. Os pufes também são um acessório prático e versátil numa sala de estar: servem como apoio para os pés, assento extra quando necessário, mesa improvisada e, se fizer essa opção, ter uma zona de arrumação no interior, para manter à mão (e fora de vista) mantas, almofadas extras ou brinquedos.

As primeiras impressões são importantes

Tal como no trabalho, também em casa as primeiras impressões contam e muito. Tenha, por isso, particular atenção ao hall de entrada e à sala de estar. Invista numa boa solução para guardar casacos, sapatos e roupas de rua, e acessórios como écharpes, luvas ou chapéus. Por outro lado, mantenha as mesas (de centro ou jantar) limpas e sem excessos de objetos. É para lá que o nosso olhar recai em primeiro lugar. Uma estante abarrotada de livros, por mais organizados que estejam, parecerá sempre mais caótica do que uma estante em que os livros são combinados com molduras, pequenas plantas ou detalhes decorativos. A regra de decoração é 60% do espaço de uma estante deve ser ocupada pelos livros, 30% devem permanecer vazios, e os 10% restantes podem ter objetos decorativos.

Tal pai, tal filho

Deve ensinar desde cedo as crianças a arrumar e ordenar as suas coisas, mas em primeiro lugar deve dar-lhes meios para que consigam organizar sozinhos os seus brinquedos, comprando móveis funcionais adaptados à sua idade e com arrumação adequada (por exemplo, prateleiras baixas nas quais possam arrumar os seus livros, armários com cestos para classificar os jogos por tipologia). O quarto dos seus filhos ou sala de brincadeiras não deve ser encarado como “um território sem lei”. Está provado que a ordem e as rotinas proporcionam segurança aos mais novos.

Acabe com o quarto das arrumações e a gaveta da tralha

Sabe aquela divisão em que costuma guardar tudo o que um dia poderá vir a precisar ou aquelas coisas que não usa, mas tem pena de deitar fora? Pois esqueça-a, esvazie-a na totalidade e ganhe um novo quarto ou escritório. Alguém verdadeiramente organizado nunca teria um quarto dedicado ao “lixo”. Nunca! Porque não guarda para mais tarde reciclar. Tudo o que há em casa é realmente utilizado e tem um local próprio. Também não existe a chamada “gaveta da tralha”, na qual correspondência, botões, chaves, cartões de visita e óculos velhos se acumulam… nem aparelhos eletrónicos que não funcionam ou jogos em que faltam peças…

Diga adeus às montanhas de papéis

É difícil combater a fúria do papel, mas faça um esforço para reorganizar a sua vida e deixe de acumular contas, faturas e relatórios que facilmente se amontoam, criando torres de papel. Organize os seus documentos em pastas ou arquivos devidamente etiquetados e marcados ou, melhor, sempre que puder, digitalize-os, libertando-se do físico. Vai economizar muito espaço e ganhar ordem visual.

Se entra algo novo, sai algo velho

Sempre que comprar algo de novo, deve tentar eliminar algo velho de sua casa. Por exemplo, se comprou toalhas novas para o banho, veja se não está na hora de mandar embora um conjunto de toalhas com alguns anos. Só assim conseguirá manter a organização e o equilíbrio.


Para terminar, uma sugestão de leitura: o livro da arquiteta Paula Margarido, “Destralhe a Sua Casa”, e não se esqueça de que rotina é o seu melhor aliado. Depois de ordenar toda a casa, e colocar cada objeto no seu lugar, basta mantê-los lá. Crie novas rotinas e dedique 10-15 minutos de manhã e outros 10-15 minutos ao final do dia à arrumação. A manutenção vai tornar-se mais fácil e uma sensação de bem-estar vai crescer dentro de si.