Este website utiliza cookies para melhorar a navegação. Ao navegar no website estará a consentir a sua utilização. Para saber mais clique aqui.

SÁBADO por C-Studio

Partilhe nas Redes Sociais

Powered by

Unibanco
Exposições em Lisboa para visitar em família Exposições em Lisboa para visitar em família

Exposições em Lisboa para visitar em família

Exposições em Lisboa para visitar em família

Photo Ark, a exposição da National Geographic mais vista em todo o mundo e que está a fazer sucesso também em Lisboa serve-nos de mote para um roteiro cultural pela capital, dedicado aos mais novos.


Publicado em 28-Fev-2019

O fim-de-semana está a chegar e ainda não tem programa para fazer com as crianças? Com tantos museus e galerias em Lisboa, não há motivo para procrastinar. Vá ver exposições e aproveite para descobrir também aqueles museus menos conhecidos, alguns são verdadeiras preciosidades, e muitos com entrada gratuita ao domingo de manhã.

Photo Ark

É talvez a mais mediática das exposições do momento. O norte-americano Joel Sartore é um contador de histórias e fotógrafo da National Geographic conhecido por fotografar vida selvagem, sobretudo espécies em vias de extinção.  Com o grande objetivo de levar as pessoas a preocuparem-se com o facto de podermos perder metade de todas as espécies do mundo até ao final do século, Sartore propôs-se fotografar as mais de 12 mil espécies em cativeiro. Em 13 anos já fotografou 8.400 espécies e o resultado é a Photo Ark, que rapidamente se transformou na exposição da National Geographic mais vista em todo o mundo, com 5 milhões de visitantes em 10 países. Já passou pelo Porto e agora está em Lisboa, na Cordoaria Nacional, com muitas fotografias inéditas, sendo 12 delas fotografadas em Portugal.

Nos 500m2 da exposição, os visitantes podem também assistir a três documentários sobre o projeto, nomeadamente o “making-off” das fotos; participar numa atividade interativa e descobrir qual é a sua personalidade ‘Photo Ark’ ou tirar selfies com as fotos da exposição e habilitarem-se a prémios.

Photo Ark
Local: Cordoaria Nacional – Travessa das Galeotas
Horário: Segunda a Sexta, das 10h00 às 19h00 e sábado, domingo e feriados, das 10h00 às 20h00. Até 5 de maio.
Bilhetes: 9€ (adultos), 7€ (bilhete reduzido), 5€ (crianças de 5 a 11 anos). 24€(Bilhete Família para 2 adultos e até 3 crianças com máximo 12 anos). As crianças até aos quatro anos não pagam entrada.


      Uma História de Assombro

      “Uma História de Assombro. Portugal-Japão Séculos XVI-XX” é composta por peças de colecionadores particulares, de instituições públicas e privadas, portuguesas e japonesas. Por meio de biombos, lacas, cartografia, armaduras entre outros objetos raros e fascinantes, alguns expostos pela primeira vez ao público, a exposição narra a história do encontro e reencontro entre Portugal e o Japão ao longo de cinco séculos. Uma história de espanto e maravilhamento mútuos, mas de terror também. De aproximações, contendas, tratados, arte e diplomacia. Para ver até 26 de março na Galeria rei D. Luís I, Palácio Nacional da Ajuda.

      Palácio Nacional da Ajuda
      Local: Largo da Ajuda
      Horários: das 10h00 às 18h00 (última entrada às 17h30). Encerra à quarta-feira, 1 de janeiro, domingo de Páscoa, 1 de maio, 13 de junho e 25 de dezembro. 
      Entradas: 5€. Entrada livre aos domingos, até às 14h. Visitas guiadas aqui


      A Magia dos Estúdios Aardman

      Os fans de filmes como A Ovelha Choné ou a Fuga das Galinhas não podem perder esta exposição. Organizada pelo Museu da Marioneta em parceria com a Monstra – Festival de Animação de Lisboa, esta mostra leva-nos a entrar no imaginário dos britânicos Estúdios Aardman, fundados em 1976 por David Sproxton e Peter Lord. Ou seja, poderá ver ao vivo as marionetas dos filmes e séries que tornaram este estúdio num dos mais conhecidos e admirados em todo o mundo: Wallace e Gromit (série tv e filmes), Creature Comforts (série tv), Timmy (série tv), A Ovelha Choné (série tv e filme), A Fuga das Galinhas (2000), Morph (tv) e A Idade da Pedra (2018). Um total de 47 marionetas, oito cenários, vários storyboards e esquissos. A exposição estará patente no Museu da Marioneta até ao dia 21 de abril.

      Museu da Marioneta
      Local: Convento das Bernardas, Rua da Esperança 146 (Madragoa)
      Horário: de terça-feira a domingo, das 10h00 às 18h00 (últimas admissões: 17h30). Entrada gratuita no museu aos feriados e aos domingos de manhã (das 10h00 às 14h00).
      Preço: A Magia dos Estúdios Aardman tem entrada livre.


          Hello, Robot. Between Human And Machine

          A ideia de os robots poderem constituir uma ameaça para a humanidade anda a ser debatido desde a década de 1920, mas talvez nunca tenha sido tão atual e importante como hoje. A robótica está cada vez mais acessível, mais pessoal, mais essencial até, a pergunta mantém-se: será que contribui para melhorar o nosso mundo? Ou será que as máquinas apenas vão tornar os seres humanos em seres supérfluos e inúteis?

          “Hello, Robot” é uma exposição patente no MAAT que examina a atual explosão no mundo da robótica com mais de 200 peças das áreas de design e arte, incluindo robôs utilizados em casa, nos cuidados assistidos e na indústria, em jogos de computador, instalações de media, e exemplos cinematográficos e literários. Mas, o seu verdadeiro objetivo é levantar questões sociais, políticas e de ética, mostrando os robôs em quatro fases – a primeira diz respeito ao fascínio que estas figuras exercem sobre as pessoas; a segunda é sobre o impacto da robótica no mundo do trabalho; a terceira foca a evolução astronómica da tecnologia; e, por último, examinando o crescente esbater das fronteiras entre os humanos e os robôs. Para ver até 22 de abril.

          MAAT – Museu de Arte, Arquitetura e Tecnologia
          Local: Av. Brasília, Central Tejo
          Horário: Aberto das 11h às 19h. Encerra às terças-feiras e nos dias 25 de dezembro, 1 de janeiro e 1 de maio
          Preço: 9€ (normal); 4,50€ (estudantes e séniores). Gratuito para jovens e crianças até aos 18 anos.

          • Christoph Niemann, Robot Morph, 2016 © Christoph Niemann
            Christoph Niemann, Robot Morph, 2016 © Christoph Niemann
            • Christoph Niemann, Robot Morph, 2016 © Christoph Niemann
              Christoph Niemann, Robot Morph, 2016 © Christoph Niemann

              Over Flow

              Já inaugurou em outubro, mas se ainda não viu, vale a pena levar os seus filhos a ver “Over Flow”, uma instalação imersiva na Galeria Oval do MAAT. Criada pelo artista japonês Tadashi Kawamata, convida os visitantes a experienciar uma paisagem marítima na sequência de uma catástrofe ecológica imaginária em que os detritos transportados pelos oceanos engoliram a civilização. Algo que na verdade já esteve mais longe de acontecer…

              Mundialmente conhecido pelos seus ambientes arquitetónicos sustentáveis de grande escala, Tadashi Kawamata desenvolveu o projeto ao longo de um ano de pesquisa e trabalho de campo em Portugal. O resultado foi esta instalação encomendada pelo MAAT, integrando resíduos de plástico e barcos abandonados, recolhidos na costa portuguesa durante as campanhas de limpeza de praias. Uma forma escultórica de grandes dimensões que nos deixa a pensar sobre os efeitos do turismo global e o consumo dramático de recursos naturais… Para ver até 1 Abril

              MAAT – Museu de Arte, Arquitetura e Tecnologia
              Local: Av. Brasília, Central Tejo, Belém
              Horário: Aberto das 11h às 19h. Encerra às terças-feiras e nos dias 25 de dezembro, 1 de janeiro e 1 de maio
              Preço: 9€ (normal); 4,50€ (estudantes e séniores). Gratuito para jovens e crianças até aos 18 anos.

              View this post on Instagram

              #nowatmaat: 'Over Flow'. "Obviamente, é uma quantidade de lixo muito pequena em comparação com o que encontramos no mar, mas neste espaço, quando as pessoas vierem, será muito. Será demasiado. Isso era o que realmente eu queria mostrar." - @tadashi.kawamata. ❕ Já visitou esta exposição? Passe pelo nosso facebook e participe no passatempo que está a decorrer. Estamos a oferecer entradas duplas. . . . . "Obviously this is a very small amount of trash compared to what we find at sea, but when people come in this space, it will be a lot. It will be too much. That was what I really wanted to show." . #maatmuseum #maatlover #fundacaoedp #tadashikawamata #overflow #artist #exhibition #martajecu #curator #osespacialistas #briagadadomar #recycle #eco #contemporaryart #art #architecture #technology #museum #japan #lisboa #portugal

              A post shared by MAAT Museum (@maatmuseum) on


              Tcharan! – Circo de Experiências

              Vale sempre a pena voltar ao Pavilhão do Conhecimento. As exposições são sempre interativas, convidados as crianças a mexer, experimentar, brincar, enquanto aprendem. Na exposição “Tcharan! – Circo de Experiências”, os exploradores entre os 3 e os 12 anos vão poder percorrer um labirinto de espelhos, saltitar num chão musical, subir a língua pegajosa de um sapo ou participar na Casa Inacabada, um dos espaços mais queridos dos mais pequenos, que regressa com uma nova cenografia. Para ver até 30 de junho.

              Pavilhão do Conhecimento
              Local: Largo José Mariano Gago, nº1 – Parque das Nações
              Entradas: 9€ (adulto), 6€ (crianças de 3 a 11 anos); 7€ (12 a 17 anos); €24 (2 adultos com filhos até 17 anos)


                  “Vicente. O Mito em Lisboa”

                  Para quem quer saber mais sobre a cidade e os seus mitos, até 28 de abril, a exposição “Vicente. O Mito em Lisboa” transforma o Museu de Lisboa – Palácio Pimenta numa cidade com oito ermidas. Peças do Museu misturam-se com obras artísticas contemporâneas e exploram-se, no Pavilhão Preto e nos jardins do Museu de Lisboa, as várias dimensões da vida e lenda do padroeiro histórico de Lisboa, através de diversos objetos e linguagens artísticas, obras de escultura, performance, instalação, pintura, vídeo, desenho, ilustração ou texto. O Museu de Lisboa promove também diversas iniciativas paralelas à exposição, como visitas orientadas, um percurso performativo, conversas com especialistas em vários campos e, no dia 16 de março, o lançamento do livro ilustrado Vicente. Símbolo de Lisboa. Mito Contemporâneo.

                  Museu de Lisboa
                  Local: Pavilhão Preto do Museu de Lisboa – Palácio Pimenta: Campo Grande, 245
                  Horário:  De terça a domingo, das 10h às 18h. Até 28 de abril
                  Entrada: 3€. Entrada Livre aos Domingos e feriados até às 14h; para crianças até aos 12 anos; jovens dos 13-18 anos (residentes em Lisboa); e maiores de 65 anos (residentes em Lisboa).


                  Purple

                  Mais uma exposição cujo objetivo é mudar a nossa atitude perante o mundo. O Museu Coleção Berardo apresenta uma nova exposição do artista e realizador britânico John Akomfrah. Purple, que é uma imersiva instalação de vídeo em seis ecrãs que mapeia as progressivas alterações climáticas em todo o planeta e os seus efeitos nas comunidades, na biodiversidade e na vida selvagem.

                  Encenado numa variedade de paisagens ecológicas em perigo, desde o interior do Alasca à gelada e desolada Gronelândia ou às vulcânicas Ilhas Marquesas, no Pacífico Sul; cada local incita o observador a meditar na complexa relação entre os seres humanos e o planeta. Numa altura em que, segundo as Nações Unidas, as emissões de gases de efeito de estufa decorrentes da atividade humana se encontram em máximos históricos e as populações experienciam o significativo impacto das alterações climáticas — incluindo a alteração dos padrões meteorológicos, a subida do nível do mar e eventos meteorológicos mais extremos —, a obra de Akomfrah introduz uma multitude de ideias numa conversa que inclui a extinção de mamíferos, a memória do gelo, o plástico no oceano e o aquecimento global.

                  Museu Coleção Berardo
                  Local: Centro Cultural de Belém, Praça do Império
                  Horário: Aberto todos os dias da semana, das 10h00 às 19h00 (última entrada: 18h309. Purple é uma instalação de vídeo apresentada em loop. Pode consultar aqui as horas de início de exibição.


                      Museu de História Natural

                      Um clássico de Lisboa, o Museu de História Natural é uma visita obrigatória para todos, a repetir em vários momentos. Aqui, além de poder visitar o último grande laboratório do século XIX, o Laboratorio Chimico, passando pelo magnífico Amphiteatro Chimico e pela Reserva Visitável onde pode ver as coleções de química, existem múltiplas exposições temáticas, como a dedicada aos últimos quatro grandes carnívoros europeus – o urso, o glutão, o lince e o lobo; uma mostra sobre o uso das plantas pelos mais variados povos, apropriado pela ciência para diversos fins ou sobre  os diferentes tipos de fósseis de dinossáurio e quais as regiões de Portugal em que são mais abundantes ou a “Aventura na Terra: um planeta em evolução”, uma exposição relata a história e evolução da Terra ao longo dos últimos 4 600 milhões de anos. No final, há que passar e passear pelo Jardim Botânico, um maravilhoso jardim científico, classificado como Monumento Nacional, que recuperou o seu esplendor no ano passado, após ter estado encerrado para obras de recuperação há muito merecidas.

                      Museu Nacional de História Natural e da Ciência
                      Local: Rua da Escola Politécnica, Príncipe Real
                      Horários: de terça a sexta, das 10h00 às 17h00; ao sábado e domingo, das 11h às 18h. Encerra à segunda-feira e feriados
                      Entradas: 5€ (adultos); 1,5€ (bonificados); €7,50 (famílias). Entrada gratuita aos domingos até às 14h00.