Este website utiliza cookies para melhorar a navegação. Ao navegar no website estará a consentir a sua utilização. Para saber mais clique aqui.

Powered by

Unibanco
Os melhores vinhos para uma noite de verão Os melhores vinhos para uma noite de verão

Os melhores vinhos para uma noite de verão

Os melhores vinhos para uma noite de verão

Se um dos grandes prazeres do verão são os jantares ao ar livre, rodeado de amigos e de petiscadas, venha descobrir o ingrediente em falta: os vinhos de verão.


Publicado em 22-Jul-2019

These are the days that I’ve been missing
Give me the taste, give me the joy of summer wine…

Canta Jamie Cullum em These are the Days, banda sonora perfeita para acompanhar um bom jantar de verão, uma noite quente ao ar livre, rodeado pelas melhores companhias e um belo vinho a refrescar a noite. Sim, porque esse deve ser um dos grandes prazeres nesta altura do ano, razão pela qual deve sempre servir o vinho a uma temperatura mais baixa do que faria normalmente. Por isso, também, esqueça os tintos mais pesados ou velhos, e os brancos mais cheios. Opte antes por néctares mais jovens, porventura mais simples até, que acompanham bem melhor os pratos da época: petiscos, mariscos, peixes, saladas ou grelhados. Mas lembre-se, se for dar um mergulho ao luar, não beba…

Mélange à 3

O nosso primeiro vinho de verão é… um tinto! Porque não devem existir tabus nestas matérias e um vinho tinto pode perfeitamente funcionar muito bem no verão, especialmente se for tiver as características deste Mélange à 3: fresco, descomplicado, suave. O nome, claro, vem das três castas que lhe dão origem (Tinta Roriz, Touriga Nacional e Alfrocheiro) e nasce num sítio improvável: o Dão, na Quinta dos Carvalhais mais precisamente.  A enóloga, Beatriz Cabral de Almeida, esclarece:   “é um vinho fácil, mas expressivo e com a forte personalidade do Dão.” Ótimo para carnes Grelhadas. Preço: 5,99 euros.

Verdelho, o Original

É nas encostas da ilha do Pico que nasce um dos melhores representantes dos vinhos dos Açores – a nova região coqueluche de Portugal.  Feito a partir de um Verdelho “diferente”,  levado para as ilhas há muitos anos e diferente do que existe no continente, como escreve o enólogo António Maçanita:  “é ‘o Original’ (daí o nome), o das ilhas, da frescura, da salinidade, e da mineralidade”. Sabor a mar, para acompanhar tudo o que vem do mar! Com umas cracas então…  Preço: 21,50 euros

Calçada da Tapada  CT Grande Escolha Loureiro branco 2018

Depois de 13 gerações a fazer vinhos em Estremoz, a família Serrano Mira “internacionalizou-se cá dentro”, tendo comprado a Calçada da Tapada, quinta na região dos vinhos verdes e com Solar erguido em 1540. Este é o primeiro produto dessa aposta, um vinho que revela bem o carácter do terroir: Quer dos vinhos verdes quer da casta Loureiro: cítrico e frutado. Preço: 4,95 euros

Mateus Rosé Original

Palavras para quê? É o Mateus Rosé… O mais internacional dos vinhos portugueses e o principal responsável por hoje em dia toda a gente beber rosé no mundo. Só mais recentemente começou a ser compreendido na nossa terra, mas onde tem vindo a crescer exponencialmente. Cidadão do mundo, é perfeito para acompanhar comidas internacionais – Italiana asiáticas, mas também saladas e mariscos. Leve, fresco, notas de frutos vermelhos e ligeiramente petillant (gasoso). Preço: 3,99 euros

Torre de Palma – Arinto+Alvarinho 2018

Há cada vez mais Alvarinhos no Alentejo, onde ganha um toque mais tropical. . Mas este não chega sozinho, e vem bem acompanhado pela casta branca mais comum do país, o Arinto, para dar uma ajuda na acidez. Bem seco e mineral, nada como visitar o projecto de turismo homónimo para o provar em toda a sua plenitude. Preço: 21 euros.

DSF Roxo Rosé e Verdelho 2018

A DSF é uma gama especial da José Maria da Fonseca, uma espécie de coleção privada do enólogo, Domingos Soares Franco, e muito premiada. O Verdelho inspira-se na sua experiência australiana, onde a casta existe “importada” das ilhas, Açores e sobretudo Madeira. Revela-se um vinho muito frutado, de excelente acidez e final médio. Já o Rosé tem um final um pouco mais longo e muito aroma, especialmente a morangos. Preço: 9,90  euros

Chocapalha Reserva Rosé

O rosé de topo da Quinta da Chocapalha revela bem o terroir único da quinta ali para os lados de Alenquer, balizada entre o Atlântico e a Serra de Montejunto. Um vinho suave e com muito boa textura, feito a partir das vinhas velhas (Touriga Nacional (70%) e Tinta Roriz (30%). A enóloga, Sandra Tavares da Silva, oferece também um rosé mais simples, o Mar de Palha, onde a Touriga e a Roriz surgem em igualdade. Preços: 12 e 5,40 euros.

Azevedo Alvarinho Reserva

Chegou este ano ao mercado pela primeira vez e é o topo de gama da Azevedo: um 100% Alvarinho, com toda a complexidade aromática e presença de boca típica de um bom alvarinho. Mostra-se um companheiro ideal para mariscos, tenham eles passado pela chapa ou por uma composição mais laboriosa na panela Preço: 6,79 euros.

Quinta Nova Pomares

“…Foram ter à Quinta Nova, ao pombal de São João…” Esta é a Quinta Nova da canção, mas já não tem pombais, antes grandes vinhos, com o Mirabilis à cabeça, e este Pomar, cujo nome remete para outro passado de sucesso na fruticultura. Um vinho que consegue um feito notável de aliar frescura a um toque mais especiado e gastronómico.  Preço: 7,50 euros

Lancers Rosé

Mais um Rosé de Portugal para o Mundo. O Lancers surgiu mesmo a pedido do importador norte americano, em 1944. Apesar da idade tem um perfil bem moderno, com aromas a frutos vermelhos, leve e ligeiramente adocicado. Este ano ganhou também uma divertida embalagem de edição especial, com design da ilustradora Kruella D’Enfer. Preço: 3,69 euros.