Este website utiliza cookies para melhorar a navegação. Ao navegar no website estará a consentir a sua utilização. Para saber mais clique aqui.

Powered by

Unibanco
Quem é Marie Kondo, a guru da arrumação da Netflix? Quem é Marie Kondo, a guru da arrumação da Netflix?

Quem é Marie Kondo, a guru da arrumação da Netflix?

Quem é Marie Kondo, a guru da arrumação da Netflix?

De consultora profissional de arrumação a autora de best-sellers e celebridade nas redes sociais, a japonesa Marie Kondo chegou a protagonista de uma série na Netflix que ensina famílias a arrumar a casa e alcançar a felicidade.


Publicado em 07-Mar-2019

Uma verdadeira celebridade para qualquer consumidor compulsivo de revistas de decoração ou obcecado pela arrumação, Marie Kondo era uma desconhecida para a maioria dos portugueses… Mas há semanas, pouco depois de a Netflix anunciar a estreia de Marie Kondo: A Magia da Arrumação, Ricardo Araújo Pereira dedicou uma das suas Mixórdias de Temáticas à guru da arrumação mais famosa do mundo. Uma verdadeira desilusão dizia o humorista, sem entender o porquê de tanta conversa em torno de alguém “que vai a casa de pessoas que são desarrumadas”… Quase em simultâneo, sucederam-se artigos e crónicas por toda a imprensa nacional sobre esta japonesa de 34 anos que vende milhões de livros em todo o mundo, e que até já foi considerada pela Time uma das 100 pessoas mais influentes do mundo.

Há pouco mais de uma década, Marie Kondo arrumava a casa de amigos para ganhar dinheiro extra enquanto estudava sociologia, em Tóquio. Primeiro num ciclo restrito, depois cada vez mais alargado, a jovem socióloga começou a ficar famosa, e acabou por criar uma empresa de consultoria para ajudar os seus clientes a transformar as suas casas desarrumadas em locais de serenidade e inspiração. Em 2014, escreveu o primeiro livro, “Arrume a Sua Casa, Arrume a Sua Vida”, um best-seller internacional, com vários milhões de livros vendidos (em parte graças a uma crítica no The New York Times), e o seu método KonMari de limpeza e organização transformou-se num fenómeno mundial. Hoje, os seus serviços são tão solicitados que tem uma lista de espera de seis meses e mais de duas centenas de consultoras certificadas!

O método KonMari

Os seus vídeos no YouTube – que exemplificam o método mais eficaz para dobrar roupa, sejam camisolas, toalhas ou roupa interior – têm vários milhares de visualizações. É através deles que explica aos fãs que tem por todo o mundo como devem arrumar a casa, livrando-se de objetos desnecessários e valorizando os realmente essenciais. Nada mais simples, certo?

Ainda assim, para quem vê pela primeira vez um vídeo de Marie Kondo, é importante fazer uma introdução ao seu método, por vezes demasiado esotérico ou extravagante para um ocidental… Para Kondo, a organização é quase uma prática religiosa, que associa à ideologia Shinto (ou Xintoísmo), e que a leva a cumprimentar as casas dos seus clientes antes de iniciar o processo de arrumação. “Comecei este costume [de saudar as casas] de forma natural, de acordo com a tradição de adoração dos santuários xintoístas”, explica no seu livro. Da mesma forma, a guru da arrumação defende que devemos dar valor ao que temos, e tratar os objetos como não descartáveis, independentemente do seu preço, e criar espaços próprios para expor cada objeto individualmente, práticas habituais do Xintoísmo. As pessoas sentem-se atraídas por esta quase filosofia, não apenas devido à sua eficácia, mas porque dá grande importância à introspecção, ao conhecimento interior e ao futuro.

Cinco lições de vida

Arrumar tudo de uma vez só, num curto espaço de tempo, é um dos primeiros conselhos da especialista. Organizar a casa implica uma mudança no estilo de vida e na maneira de pensar e para que isso aconteça é preciso ser radical.

“Fica apenas com o que te faz feliz” é a sua máxima. Marie Kondo sugere que experimente cada peça de roupa ou abrace cada objeto junto do corpo e pergunte: “Isto traz-me felicidade?” A ideia é fazer-nos refletir sobre os objetos que nos trazem alegria – e não deitar fora de forma aleatória. A ideia é eliminar apenas o que não precisamos, nem nos faz feliz. Segundo Kondo, a maioria das pessoas queixam-se de falta de espaço, quando o problema é acumularem demasiadas coisas.

A organização deve ser feita por categorias e não por divisão. Começar a tarefa de arrumação pelo quarto, sala ou cozinha é uma “armadilha comum” e um “erro imperdoável” que a própria Marie Kondo confessa ter praticado durante anos. Por exemplo, deve começar sempre pela roupa e esvaziar todos os móveis em casa onde tenha peças de vestuário. É a forma de perceber o volume real de tudo o que possui e descobrir se tem coisas semelhantes ou esquecidas em locais que raramente abre… Mais tarde chegará o momento de arrumar livros, papéis, objetos vários (os komono) e os artigos com valor sentimental (fotografias, cartas, recordações), quase sempre os mais complicados.

Dobrar a roupa na vertical. É um dos principais ensinamentos de Marie Kondo, várias vezes replicado em vídeos e imagens de simetria perfeita no Instagram. A ideia é que ao dobrar a roupa na vertical vai conseguir ganhar espaço, tempo e ordem, podendo visualizar todas as peças de roupa que possui ao abrir uma gaveta e encontrar facilmente o que procura.

Encontre um lugar para tudo e mude a sua vida. Cada coisa tem o seu lugar próprio. Por exemplo, todas as t-shirts devem ser guardadas na mesma gaveta. Depois, à medida que reduzimos o número de objetos que possuímos, chega o chamado “momento do clique”, o momento em que alcançamos a quantidade certa de objetos, objetos que nos fazem felizes, e também um certo equilíbrio interior. A ideia é que a “arte de aprender a eliminar o desnecessário” refina as nossas capacidades de decisão e até “desintoxica” o corpo. Organizar restaura o equilíbrio entre as pessoas, os seus objetos e a sua casa, ajudando a por ordem na nossa vida e a atingir a felicidade. A consultora garante que, depois de arrumarem a casa, há muitas pessoas que mudam radicalmente de vida, mudando até de trabalho… isto para quem acredita na tal “magia da ordem”, é claro!