Este website utiliza cookies para melhorar a navegação. Ao navegar no website estará a consentir a sua utilização. Para saber mais clique aqui.

Powered by

Unibanco
Só eu sei porque fico em casa Só eu sei porque fico em casa

Só eu sei porque fico em casa

Só eu sei porque fico em casa

A pandemia cancela concertos e espetáculos por todo o lado e obriga-nos a ficar isolados, mas felizmente o mundo encontrou uma forma de nos fazer companhia.


Publicado em 24-Mar-2020

De roupão, sentado ao piano, John Legend improvisa um concerto em casa, via Instagram. Toca músicas suas, algumas novas como Conversations in the Dark, e êxitos dos Beatles ou Stevie Wonder, antes de terminar obrigatoriamente com All of Me, o megaêxito que dedicou à mulher, Christine Teigen. Nem de propósito, ela também por ali anda, enrolada numa toalh, de copo de vinho na mão. Por vezes junta-se-lhes a filha do casal, de pijama.

Nunca se tinham visto concertos assim, com artistas de todo o mundo unidos para transformar a nossa casa na melhor das plateias – e a deles no melhor dos palcos. Concertos intimistas, mas para milhões de pessoas. John Legend, não foi sequer o primeiro, e pegou no testemunho deixado por Chris Martin na segunda feira passada: “Hoje era para estar com a banda”, disse o vocalista dos Coldplay, “mas estamos presos em países diferentes, por isso quis fazer algo que nos aproximasse”. E durante meia hora dá um concerto ao piano, por vezes à guitarra. Só ele e tocando músicas a pedido dos internautas via Instagram. Em direto.

Também Bono, dos U2, lançou uma música em homenagem às vítimas do Coronavírus “Em Itália e em todo o mundo”

Por cá também fomos rápidos a aderir a esta tendência, e logo na terça feira demos início ao Festival Eu Fico em casa. Porventura o maior festival de música nacional alguma vez organizado. Durou 5 dias, de 17 e 22 de março, repleto de concertos individuais com cerca de 30 minutos cada. Sempre a parir das casas dos músicos e Live no Instagram. Nomes como António Zambujo, Capicua, Ana Moura, Nelson Freitas, Agir, Capitão Fausto, Boss AC e por aí fora, perto de oitenta músicos nacionais e mais de 40 horas de música.

Um desses nomes foi o Pedro Abrunhosa, que iniciou ainda solo a série #ficadentro com episódios quase diários, sempre às 19 horas. Não perca! E ainda largou as redes sociais saindo à varanda para entreter os vizinhos.

View this post on Instagram

‘Tudo O Que Eu Te Dou’ @asdeznolargo

A post shared by Pedro Abrunhosa (@pedro.abrunhosa) on

A cantora Pink aproveitou esta quarentena para aprender a tocar piano, e partilha as aulas com o resto do mundo: “um concerto grátis barra aula de piano, de meu coração para o vosso” escreveu ela na sua conta e podemos seguir a Global Citizen para estar a par de novos concertos como os de Chris Martin ou John Legend. Os One Republic, por exemplo, foram uns dos que se seguiram.

Regresso ao passado

Por vezes também é bom recordar concertos passados. É onde a revista Blitz, nos leva com a série “grandes concertos para ver em casa”. Muitos deles em Portugal, como os Pearl Jam no Dramático de Cascais em 1996, os Arcade Fire em Paredes de Coura, há 15 anos, ou os Metallica no Rock in Rio de 2004.

Em Portugal também já nasceu mais uma serie ao vivo. Desta vez chama-se Play It Safe, Stay Home, e incluirá atuações caseiras disponibilizadas em streaming de artistas como Noiserv, Samuel Úria, Surma e muitos outros. Pode conhecer a lista completa aqui.

Música clássica

E porque nem todos gostamos (só) de pop e rock, a Filarmónica de Berlin está a oferecer concertos grátis para todos. A oferta inclui mais de 600 concertos, dos últimos dez anos da filarmónica, assim como vídeos bónus, behind the scenes, documentários ou entrevistas. Para aceder só tem de se registar no Digital Concert Hall e depois, na página da bilheteira, inserir o código BERLINPHIL para aceder a estes conteúdos por 30 dias. Mas atenção que os registos têm de ser feitos até 31 de março.

Sem precisar de se registar pode assistir a um novo concerto da New York Metropolitan Opera todo os dias. Os concertos têm início às 19h30, hora local, menos 4 do que em Portugal, mas o streaming estará disponível durante 20 horas.

Quarentena cinéfila & Provas de vinho

Porque nem só de música vive a internet, a Medeia Filmes está a disponibilizar três filmes grátis no seu site, sob o lema “neste período de quarentena, continuamos perto de si e levamos o cinema a sua casa.”Assim, todas as terças, quintas e sábados estreia um novo filme que estará disponível por 48 horas, e se já estiveram online filmes como Paris Texas ou Viagem a Lisboa os próximos serão Quarto 212, de Christophe Honoré, Martin Eden de Pietro Marcello, e Guest of Honour de Atom Egoyan.

Já a Aveleda, lançou o projeto “Provas em Casa”, workshops online gratuitos, ao vivo, para descomplicar a linguagem e ensinar a apreciar ainda melhor o vinho. A provas realizam-se todas as segundas, quartas e sextas pelas 19 horas e são conduzidas por Francisca Van Zeller, enóloga e atual PR Manager da marca no Instagram.

E é assim, de copo de vinho na mão, que pode imitar a Christine Teigen e assistir aos seus concertos favoritos com um copo de vinho na mão.