Este website utiliza cookies para melhorar a navegação. Ao navegar no website estará a consentir a sua utilização. Para saber mais clique aqui.

SÁBADO por C-Studio

Partilhe nas Redes Sociais

Powered by

Unibanco

Um amor por uma cabana

Um amor por uma cabana

As casas de madeira estão na moda e por boas razões: são mais amigas do ambiente, mais acolhedoras, mais seguras e mais baratas.

Dentro de cada um de nós mora uma casa de madeira. Pequena, romântica e aconchegante, rodeada de natureza e perfeitamente integrada no meio ambiente. Mas sabia que é cada vez mais fácil e simples construir uma? Mais do que isso, está absolutamente na moda, como se percebe pelo blogue Cabin Porn, no qual se podem ver alguns dos mais belos exemplos de cabanas por esse mundo fora.

A verdade é que a indústria da construção é das mais ineficientes e poluidoras que existem. Só para se ter uma ideia, emite tanto dióxido de carbono para a atmosfera a construção de uma nova casa como a pessoa lá viver uma vida inteira. Por isso, as sociedades mais desenvolvidas procuram diferentes alternativas e o mais engraçado é que a melhor solução, a mais evidente, é – já adivinharam – precisamente a mesma que esteve sempre disponível: a boa e velha madeira.

Na Suécia e na Noruega já se construíram edifícios com oito, 10 e 14 pisos em madeira. O Canadá ultrapassou estes países ao construir, em Vancouver, uma residência estudantil com 18 andares. Um recorde que não vai aguentar muito tempo: para este ano está marca a inauguração em Viena, Áustria, de uma torre com 24 andares!

Bem-vindo à sua próxima casa

Naturalmente, nenhum destes exemplos cabe na ideia bucólica da cabana, mas não deixam de ser um bom exemplo da versatilidade, das possibilidades e vantagens da construção em madeira.

Por ser um material natural, a sua pegada ecológica é infinitamente menor. Basta que se tomem as devidas precauções através da replantação das árvores abatidas e prevenção da desflorestação. Na tal residência estudantil no Canadá, a Universidade da British Columbia estima ter poupado mais de 2.400 toneladas em emissões de dióxido de carbono, o equivalente a tirar 500 carros das ruas durante um ano inteiro.

Mas as vantagens não se ficam pelo meio ambiente. Estas casas são também mais saudáveis, até porque a madeira é um dos materiais com melhores características térmicas, mantendo uma temperatura interior ótima: naturalmente quente no inverno e fresca no verão.

Depois, a construção pré-fabricada é muito mais eficiente do que no local e demora menos tempo. Além disso, a resistência é das mais elevadas entre todos os materiais de construção: existem cabanas com 600 anos ainda em pé e algumas há 200 sem qualquer tipo de manutenção (que nestas construções também é mais económica), algo impensável num edifício de pedra e tijolo.

Uma casa de madeira revela enorme capacidade de absorver vibrações, logo é uma forma de construção ideal para áreas onde existe risco de tremores de terra. Mesmo a resistência ao fogo – em tempos um dos problemas – é hoje em dia das mais altas. Na verdade, nenhum outro material do mundo consegue aliar resistência, durabilidade, facilidade de uso, propriedades térmicas e estabilidade como a madeira.

Uma casa portuguesa com certeza

Portugal pode não ter a mesma tradição nórdica ou do Alasca para construir estas casas, mas temos muita madeira e existem cada vez mais empresas que fornecem soluções à medida dos seus sonhos.

De estilo rústico ou moderno, do mais simples barracão a casas modulares com várias divisões, cozinha e casas de banho. Há elasticidade suficiente para se apresentarem soluções chave na mão, sem qualquer complicação para os futuros proprietários ou, pelo contrário, enquadrando-se nos seus desejos, permitindo desenhos totalmente personalizados.

Visite o site da Discover Casa, da Novo Habitat ou da Toscca para ter uma ideia do que pode encontrar.

Esta última empresa, aliás, acaba de receber o prémio Excellens Oeconomia, da PwC e do Jornal de Negócios, pela resiliência demonstrada após ter sido totalmente dizimada nos fogos que devastaram o centro do País o ano passado. Menos de um ano depois, a Toscca já se reergueu: inaugurou uma nova unidade de produção e emprega 63 colaboradores, mais do que tinha antes.

Em comum partilham uma certeza: independentemente da sua escolha pelo tamanho ou pelo estilo da casa, esta vai sempre custar uma fração do preço que iria pagar por uma casa dita normal.