Este website utiliza cookies para melhorar a navegação. Ao navegar no website estará a consentir a sua utilização. Para saber mais clique aqui.

SÁBADO por C-Studio

Partilhe nas Redes Sociais

Powered by

Unibanco

Uma casa fora de casa

Uma casa fora de casa

A dois passos de São Teotónio e outros tantos da Zambujeira, o Craveiral Farmhouse é muito mais que um turismo na natureza. São nove hectares de ar puro e boa vida, com direito a design made in Portugal, piscina aquecida, um restaurante farm to table e muita paz.

Talvez a melhor altura para chegar ao Craveiral seja ao anoitecer. Na estrada, as árvores parecem unir as copas para receber os viajantes e, ao entrar, dos portões avista-se a ondulação de um imenso mar de lenha. O efeito cénico é provocado pela iluminação, uma metáfora que casa na perfeição com o espírito deste local, onde se vive “pé na terra, ar do mar”.

O check-in é feito num grande salão, que a receção e o bar partilham com o restaurante – com ementa fixa que muda diariamente e pratos sazonais –, deste que é o mais recente hotel da costa alentejana. A lareira no centro da sala e os grandes sofás chamam por todos os que chegam. Ficar aqui sentado à espera da hora do jantar parece uma boa ideia, competindo com o quentinho da salamandra instalada em cada uma das 38 casas que constituem o Craveiral.

      Com um conceito de alojamento único, este hotel rural em São Teotónio, a meio caminho entre o campo e a praia, é a combinação perfeita entre a beleza da natureza e o conforto da vida moderna. E também entre o luxo e a simplicidade. Aqui os hóspedes têm a autonomia e a privacidade de ficar alojados em pequenas casas – estúdios, T1, T2 e lofts –, decoradas com todo o conforto e comodidades, incluindo cozinhas completamente equipadas. Algumas possuem frigoríficos Smeg, camas Hästens e detalhes especiais, como uma banheira em cortiça, mas no geral todo o design é um feliz made in Portugal: mobiliário DAM e Wewood, iluminação Exporlux, loiças Costa Nova, eletrodomésticos Meireles e Flama, e exteriores Sachi e Lona. Peças escolhidas a dedo, com dedicação e bom gosto, pelo que o resultado final não poderia ser melhor.

      No total, entre configurações e decoração, existem sete categorias diferenciadas de alojamentos, distribuídos por quatro núcleos – uma espécie de pequenas aldeias –, interligados por passadiços de madeira. E, apesar de este ser um hotel familiar, também há um núcleo reservado apenas a adultos, com piscina exclusiva onde não entram crianças.

       

          De manhã bem cedo, só se ouve o cantar do galo… e o silêncio. Ao abrir as portadas, a natureza em bruto. Aqui não existem mantos de relva ou jardins luxuriantes. O mato e a vegetação autóctones crescem espontâneos, a par de uma quinta pedagógica (com galinhas, porcos e cabras), um estábulo e um canil, e ainda um pomar e horta de permacultura, que em breve vai alimentar o restaurante Farmtable e as cozinhas de cada uma das casas. “A ideia é que os hóspedes possam ir à nossa horta para abastecer a cozinha das suas casas. Porque o Craveiral não é só um sítio para passar a noite. É um sítio para viver”, explica Pedro Franca Pinto, advogado, e um dos três parceiros neste projeto com tanto de ambicioso como de verdadeiro. “Não queremos ser um hotel tradicional. Aqui nada é demasiado programado. O que nos interessa é promover a autenticidade da experiência.” Uma experiência que “obriga” Pedro e os sócios, João Canilho e Luís Capinha (com carreiras na área do design e da gestão), a viagens constantes entre Lisboa e São Teotónio. São eles a alma do Craveiral e fazem questão de acompanhar pessoalmente cada passo deste sonho em construção, recebendo os hóspedes como amigos.

              Parte integrante do Rede Natura 2000, o Craveiral integra um projeto de conservação da natureza – apenas 4% da área é edificada –, pretendendo contribuir para a recuperação de habitats, com a criação de um charco mediterrânico que permite que as aves migratórias aqui fiquem temporadas para nidificarem. Também está para breve a inauguração de um centro de interpretação da natureza, que vai explicar toda a história e o projeto, incluindo um circuito das plantas locais, com utilidades gastronómicas, cosméticas e medicinais, e ainda uma sala polivalente, para organização de workshops, reuniões de quadros ou eventos corporativos, a pensar nos meses em que os dias de praia não são a atração principal.

              Orgânico e 100% da terra é também o pequeno-almoço. Sumos naturais, granola caseira, iogurtes com chia e compota de fruta, pão da aldeia, enchidos, queijos e doces regionais. Mas também pode fazer pedidos especiais de ovos, smoothies ou panquecas. Depois, de aconchegado o estômago, é tempo de descobrir a quinta, ir conhecer os burros Cravo e Ferradura, que já constituíram família com o nascimento de Cravinho, dar uma volta de bicicleta – há várias, de vários tamanhos, e até triciclos para adultos –, ou aventurar-se pelos trilhos da Rota Vicentina. Para quem prefere deixar o carro estacionado, há uma imensa piscina exterior, muitos sofás e espreguiçadeiras, e também uma piscina interior aquecida, jacuzzi, sauna e banho turco. E, se tiver sorte, quando visitar o Craveiral vai ser dia de pizzas, feitas no forno a lenha estrategicamente colocado no alpendre, um verdadeiro sucesso nas noites quentes de verão, mas também nos almoços ensolarados de inverno.

                   

                  Craveiral Farmhouse

                  EM 501, km 4, São Teotónio, Odemira

                  Preços a partir de €130, com pequeno-almoço incluído. Reservas online