Este website utiliza cookies para melhorar a navegação. Ao navegar no website estará a consentir a sua utilização. Para saber mais clique aqui.

SÁBADO por C-Studio

Partilhe nas Redes Sociais

Powered by

Unibanco

Verão fresquinho, os gelados que nos derretem

Verão fresquinho, os gelados que nos derretem

Gelados há muitos, mas os artesanais têm outro sabor. Venha experimentar os melhores de Lisboa e Porto.

Conchanata

O famoso gelado Conchanata, na Avenida da Igreja 28, em Lisboa
O famoso gelado Conchanata, na Avenida da Igreja 28, em Lisboa

A estrela dá o nome à casa: três bolas à escolha, mais uma de nata, molho de morango vertido por cima. Pode escolher todos os sabores, menos alterar a bola de nata e o doce, mas quem quer estragar a perfeição? O ritual repete-se todos os anos, sem esmorecer: chegado o calor, Lisboa ruma a Alvalade para saborear os gelados da Conchanata (que hoje em dia nem glúten têm), casa italiana artesanal que continua nas mãos da mesma família desde que abriu portas, no longínquo ano de 1948.


Nannarella

Interior da Gelateria Nannarella, Rua Nova da Piedade, 64, perto da Assembleia da República
Interior da Gelateria Nannarella, Rua Nova da Piedade, 64, perto da Assembleia da República

A Nannarella disputa o primeiro lugar no pódio nesta e em qualquer outra lista. Começou com uma pequena fábrica em São Bento, que rapidamente ganhou fama por toda a cidade, e as filas para experimentar os seus gelados artesanais começaram a crescer. Há sabores clássicos, como chocolate, limão, morango, e outros originais, como o pistácio de Bronte DOP, que vem da Sicília, fior di basilico (manjericão), Spirulindo (gelado de espirulina), o bananarella (gelado de banana com pedaços de chocolate e nozes) ou o Oreo. Mas a geladaria da romana Costanza Ventura tem muitas outras surpresas, que mudam ao sabor da estação. Agora, por exemplo, há gelados de figo, nectarina, mirtilo, meloa e melancia… servidos em copo ou em cone, com natas frescas (batidas várias vezes ao dia).
Além da casa original, em São Bento, a Nannarella tem um quiosque no Espaço Gourmet do El Corte Inglés e alguns carrinhos espalhados pela cidade.


Grom

Grom, a última novidade
Grom, a última novidade "gelada" em Lisboa. Rua Garrett 42, no Chiado.

É uma das grandes novidades do ano: a abertura, em pleno coração do Chiado, de uma das mais famosas geladarias italianas, com mais de 30 lojas no país e outra boa dezena espalhada pelo mundo, de Los Angeles a Osaka. Ora, se os italianos gostam…

No topo das preocupações da Grom está a qualidade dos ingredientes, mas a ecologia ocupa uma posição muito perto, razão pela qual todos os copos, colheres e guardanapos são biodegradáveis. O mundo inteiro agradece.


Penha Longa Resort

No Penha Longa os gelados até podem ser detox. Estrada da Lagoa Azul, Sintra
No Penha Longa os gelados até podem ser detox. Estrada da Lagoa Azul, Sintra

Comer um gelado e não sentir culpa? Esqueça, o Penha Longa Resort inaugurou um carrinho de gelados que oferece muito mais: gelados na versão detox. Assim encontramos um sorbet de melancia-gengibre, que promete hidratar o organismo, acelerar o metabolismo, queimar calorias e eliminar gorduras. Ou um tangerina-alho-francês-gengibre, cuja mistura contribui para reforçar o sistema imunitário e prevenir doenças cardiovasculares. Tem depois as opções à base de fruta (da época) e as outras todas, para os mais gulosos. Disponíveis à beira da piscina ou no restaurante Aqua.


Santini

No interior da Santini na Rua do Carmo, 9, em Lisboa
No interior da Santini na Rua do Carmo, 9, em Lisboa

Tudo começou no Tamariz, Estoril, em 1949. Nesse ano, Attilio Santini fundava aquela que é, provavelmente, a mais famosa geladaria nacional. Passaram-se 70 anos e a Santini continua no topo das preferências dos portugueses na hora de comer um bom gelado. E novidades como  açaí com morango, cereja do Fundão ou doce de ovo com pinhão juntam-se aos clássicos morango, nata e chocolate entre os mais pedidos. Hoje, a Santini é quase um império com 10 lojas, de Lisboa ao Porto (também pode encomendar para casa), sendo que as mais concorridas são as do Chiado e Cascais.


Neveiros

Montra de toppings na Neveiros. Rua da Alegria, 930, Porto
Montra de toppings na Neveiros. Rua da Alegria, 930, Porto

Nos anos 1960, Alda Freiria largou Cascais e foi tentar a sorte na Invicta. Começou por servir os restaurantes da cidade, mas a fama chegou célere e forte, razão pela qual rapidamente abriu uma loja ao público. Nascia assim a Neveiros, a primeira grande geladaria do Porto. Hoje tem dois espaços e continua a deliciar os portuenses com perto de 40 sabores, com destaque para a fruta, morango e dióspiro sobretudo, ou caramelo.


Sincelo

Cores anos 80, a combinar com os gelados da Sincelo. Rua de Ceuta, 54, Porto
Cores anos 80, a combinar com os gelados da Sincelo. Rua de Ceuta, 54, Porto

A Sincelo foi fundada em 1980 e é mais um clássico do Porto, onde continua a surpreender os clientes com combinações improváveis, novidades que obrigam a repetir a visita uma e outra vez. Mas se não lhe apetecer provar nada de novo não se preocupe, porque terá sempre os crepes e as panquecas, as famosas taças e os clássicos sabores de morango, iogurte, maracujá ou chocolate. Com ou sem coco.


Ice Lovers

Gelados em stick e com muito amor na Ice Lovers. Rua dos Clérigos, 61, Porto
Gelados em stick e com muito amor na Ice Lovers. Rua dos Clérigos, 61, Porto

Quem passa na rua dos Clérigos terá dificuldade em não parar na montra desta geladaria, onde uma boa dezena de apetitosos sabores chama por nós. E que ninguém se atreva a olhar para dentro, porque então a curiosidade será demasiado forte: quem serve gelados está vestida de noiva, o que ajuda a explicar o nome da geladaria: antes de ser Ice Lovers, o espaço era uma das mais tradicionais lojas de noivas portuenses, negócio reestruturado pela nova geração da família, que agora é muito mais saboroso. Há também um gelado de homenagem à região, com sabor a vinho do Porto, além dos mais tradicionais e os de fruta, sempre da época, sempre artesanais.


Gelataria Versailles

À porta da Versailles, na Av. da República 15-A. Mesmo ao lado da pastelaria mãe, em Lisboa
À porta da Versailles, na Av. da República 15-A. Mesmo ao lado da pastelaria mãe, em Lisboa

Se calhar nunca reparou, mas em outubro do ano passado abriu uma Gelataria Versailles. O nome não é coincidência, pertence mesmo à histórica pastelaria de Lisboa, inaugurada em 1922, e fica a dois passos da casa-mãe, no Saldanha. Como não poderia deixar de ser, os gelados são artesanais, confecionados com produtos frescos (provenientes de produtores locais) na fábrica deste novo espaço, equipada com máquinas que vieram de Itália. Há 15 sabores à escolha, alguns sem açúcar, e uma novidade todas as semanas, e ainda sanduíches de gelado, crepes, waffles, bolos e bombons também de confeção artesanal. Com uma imagem leve e moderna, a geladaria que muitos já apontam como uma das melhores da cidade também tem uma esplanada no novo passeio público da Avenida da República.


Fragoleto

Geladaria Fragoleto, na Rua da Prata, 61, em Lisboa
Geladaria Fragoleto, na Rua da Prata, 61, em Lisboa

“Os melhores gelados vegan de Lisboa estão na Fragoleto!” É assim que se apresenta esta geladaria conhecida pelos seus gelados de autor, artesanais e biológicos (certificados). Pioneira neste negócio dos gelados artesanais, esta casa portuguesa existe na Baixa de Lisboa desde 2005 graças ao empreendedorismo e talento de Manuela Carabina, que decidiu ir para Itália aprender a arte do gelado quando poucos ainda o faziam em Portugal. Pelo caminho já ganhou vários prémios e a Lonely Planet, por exemplo, fez referências à Fragoleto referindo que é “a melhor geladaria a oeste de Génova”… Quanto aos sabores, há sempre muitas novidades, de gelados de fruta da época a especiarias, de chocolate 80% cacau com Ginja Sem Rival ou o “gelado mediterrânico”, vencedor do Festival do Gelado, que junta alfarroba, amêndoa, figo e avelã – e que vai representar Portugal num festival europeu que terá lugar em Itália.


Amorino

A arte dos bons gelados na Amorino. Rua das Carmelitas, 90 Porto
A arte dos bons gelados na Amorino. Rua das Carmelitas, 90 Porto

A maior Amorino do mundo abriu no ano passado, na Invicta. São 150 metros quadrados de loja, mesmo ao lado da Livraria Lello. Criada por dois amigos de infância, Cristiano Sereni e Paolo Benassi, a empresa nasceu em 2002, em Paris, e hoje tem sete lojas em Portugal e mais de 150 em todo o mundo. Mas longe de ser uma marca de massas, os seus gelados seguem a receita tradicional italiana e são feitos com ovos bio, leite fresco e fruta selecionada, sem quaisquer corantes. Com uma ampla variedade de sabores – lima-manjericão, pistácio, cheesecake de mirtilos ou doce de leite – servidos em cones, mas nunca em bola. Porque a imagem de marca Amorino são os gelados em forma de flor, um sabor para cada pétala.


La Copa

Gelado de ovos moles na La Copa, perto da Sé. Avenida Rodrigues de Freitas, 366, Porto
Gelado de ovos moles na La Copa, perto da Sé. Avenida Rodrigues de Freitas, 366, Porto

A La Copa só abriu em 2014, mas já é um clássico no Porto. Todos os dias, há cerca de duas dezenas de sabores artesanais – dos tradicionais chocolate, morango, limão, banana, manga ou amora aos mais arrojados requeijão com doce de abóbora, leite-creme ou perna de pau –, sempre feitos com fruta da época. E ainda crepes, panquecas e gofres que pode saborear no terraço interior, batizado à italiana de Terrazza La Copa.