Este website utiliza cookies para melhorar a navegação. Ao navegar no website estará a consentir a sua utilização. Para saber mais clique aqui.

Powered by

Unibanco
As melhores séries do momento As melhores séries do momento

As melhores séries do momento

As melhores séries do momento

Top ten: as dez melhores séries que prometem prender-nos ao sofá em longas maratonas televisivas. Sem pausas.


Publicado em 14-Nov-2019

Watchmen

É a grande estreia da temporada da HBO e, tal como em Game of Thrones, tudo se passa num universo paralelo. Embora neste caso muito mais semelhante ao nosso, uma espécie de realidade alternativa. Mas quem são afinal estes Watchmen que dão título à série? São homens e mulheres “normais”, nada de super-heróis, que se mascaram para combater o crime. Isto em teoria, porque na realidade acabam por interferir em quase tudo: encobrem, por exemplo, o Watergate e, como consequência, Nixon vence a guerra do Vietname e continua Presidente dos EUA por muito tempo. Como se vê, nem tudo é preto e branco, e por vezes a moralidade é muito dúbia, tal como o “herói” da série, o Doutor Manhattan, líder dos Watchmen e, esse sim, possuidor de vastos superpoderes físicos e mentais, ganhos após uma experiência que correu mal. HBO

Hache

Um drama policial espanhol que nos conta a história de Helena (“con Hache”), uma antiga toxicodependente que vira uma figura central no tráfico de heroína em Barcelona, durante a década de 1960. Depois de A Casa de Papel, o canal deposita muitas esperanças nesta nova série que também tem um pouco de Narcos. A ficção espanhola está a viver um período de ouro e este Hache é mais uma grande prova. Netflix

Santos Dumont

O pai da aviação, como lhe chamam os brasileiros, surge numa fantástica produção da HBO sul-americana. E com impressionante acuidade histórica: os primeiros três anos de (pré)produção foram dedicados apenas à pesquisa para que, por exemplo, os aviões sejam réplicas perfeitas dos utilizados por Dumont. A maioria deles criados de propósito para a série. Filmada entre o Brasil natal e a França de adoção, a série é mais do que uma grande produção, não descurando o lado humano, as aspirações, os erros, as dúvidas, e naturalmente os sucessos desta personagem fascinante. HBO

Catarina, a Grande

Catarina foi a mulher que, sem ser russa de nascimento, conseguiu por artes e traições ascender ao trono e governar a Rússia durante 34 anos, modernizando o país e transformando-o numa das grandes potências europeias. A realização está a cargo de Philip Martin, responsável, entre outros, pela primeira temporada da série The Crown, a história da Rainha Isabel I, e, last but not least, referência para a atriz que interpreta esta Catarina, a Grande, porque se trata de Helen Mirren, a grande. HBO

Os Últimos Czares

Continuando no reino da Rússia, mas trocando de plataforma para a Netflix, Os Últimos Czares relata a história dos Romanov, a última família real a governar o país. A série começa então com a ascensão ao trono de Nicholas II, em 1894, e termina em 1917, quando abdica a favor dos revolucionários bolcheviques, acompanhando toda uma série de personagens “invulgares” pelo caminho – com o místico Rasputin à cabeça. Mas a grande novidade é a forma como está gravada, com imagens reais intercaladas como a ficção histórica. Uma espécie de fusão entre ficção e documentário. Netflix

Bonding

Bonding acompanha a história de Tiffany “Tiff” Chester, uma estudante de psicologia em Nova Iorque que, à noite, trabalha como dominatrix sob o pseudónimo Mistress May. Mais tarde junta-se o seu melhor amigo Pete que, apesar de gay, acaba por ficar conhecido como Master Carter neste submundo. Uma divertida comédia negra, para ver num ápice, pois todos os episódios têm uma duração inferior a 20 minutos. Netflix

Succession

Uma das mais interessantes séries de TV da atualidade (e das mais nomeadas para os Emmy) abre-nos as portas da família Roy, dona de um império de media, mas sofrendo todos os males de uma família disfuncional. Vamos sobretudo acompanhar as peripécias dos quatro filhos de Logan, em luta pelo controlo do império e tentando lidar com o pai, que apesar da saúde fragilizada continua controlador e dominante como sempre. É muito interessante ainda saber que a série estará inspirada (pelo menos em parte) nos dramas reais da família Murdoch, dona dos canais Fox. HBO

After Life

Após a morte da sua mulher, vítima de cancro da mama, Tony é um homem desiludido e deprimido que chega ao ponto de contemplar o suicídio. Em vez de o fazer decide vingar-se do mundo, agindo e dizendo tudo aquilo que bem entende e, basicamente, tornando-se na mais desagradável das pessoas. Infelizmente para ele, no entanto, o mundo conspira para o tornar numa pessoa melhor… Um papel repleto de humor mordaz, talhado para Ricky Gervais (The Office), que o desempenha na perfeição. Netflix

Swamp Thing

Retirado do universo da DC Comics, Swamp Thing conta-nos a história da cientista Abby Arcane, que regressa à sua pequena cidade no estado de Louisiana para aí investigar um estranho vírus mortal que, de alguma maneira, parece estar relacionado com o pântano local. Mas o pântano é casa também de um misterioso monstro verde… Curiosamente, e apesar de uma estreia muito positiva (entre as pontuações mais altas da crítica e do público), a continuação da série foi cancelada ao fim do primeiro episódio apenas, o que deixou a Internet em estado de alerta. Porquê? Não se sabe, mas assim estes dez episódios da primeira temporada são mais preciosos ainda. HBO

Daybreak

Daybreak é a mais recente série à procura de conquistar as audiências mais jovens. E para isso conta com alguns argumentos de peso, a começar por um adolescente baldas à procura do amor, num cenário pós-apocalíptico em Los Angeles, onde pululam zombies e gangues de (mais) adolescentes. Tudo servido com doses iguais de piadas, terror e ação. Sim, Daybreak pode não ser arte, mas é sem dúvida entretenimento capaz de nos prender ao sofá. Netflix