Este website utiliza cookies para melhorar a navegação. Ao navegar no website estará a consentir a sua utilização. Para saber mais clique aqui.

Powered by

Unibanco
Que grandes fitas: os filmes a não perder este mês Que grandes fitas: os filmes a não perder este mês

Que grandes fitas: os filmes a não perder este mês

Que grandes fitas: os filmes a não perder este mês

Descubra como ganhar convites duplos para a antestreia de Le Mans 66. Um filme recheado de adrenalina, num mês repleto de grandes estreias.


Publicado em 08-Nov-2019

Le Mans 66

Ford vs. Ferrari. Nos anos 1960, a Ford era um gigante da indústria automóvel, e a Ferrari pouco mais do que um pequeno construtor europeu. Mas quando pisávamos uma pista de corrida, os papéis invertiam-se, e o gigante era obviamente a marca com o Cavallino Rampante no capô. Durante a primeira metade dessa década, a Ford esteve prestes a comprar a Ferrari, e as negociações só não chegaram a bom porto porque o mítico Enzo Ferrari roeu a corda no último momento, deixando os americanos furiosos – e decididos a ter a sua vingança. Henry Ford II, neto do fundador e CEO da companhia, decidiu então atingir a Ferrari onde mais lhe doía, levando a luta para as pistas, nomeadamente para Le Mans onde, em 1965, a marca de Maranello acabava de conquistar a sua sexta vitória consecutiva. O problema da Ford? Não tinha uma divisão de competição, pelo que foi necessário procurar ajuda externa. Carroll Shelby foi o homem escolhido para liderar a missão, e se hoje os automóveis nascidos desta parceria são míticos, na altura o processo foi tudo menos suave. Embora Shelby fosse, na verdade, a única escolha possível: como piloto tinha vencido a última prova francesa antes do domínio dos Ferrari (ao volante de um Aston Martin) e tinha, entretanto, criado uma bem-sucedida equipa de competição. Mais, partilhava o mesmo espírito de vingança contra a Ferrari, pois tinha sido preterido como piloto da equipa.

Le Mans 66 (Ford vs. Ferrari, no título original) relata toda esta história, com cenas de competição de tirar o fôlego e grandes interpretações de dois vencedores do Óscar: Matt Damon, no papel de Shelby, e Christian Bale, no papel de Ken Miller, o piloto inglês responsável pelo desenvolvimento do modelo de competição. O clímax ficou então marcado para as 24 horas de 1966, uma das mais extraordinárias corridas de toda a história de Le Mans e, sobretudo, com um dos finais mais surpreendentes… Para ver a partir de 14 de novembro.

Quer ganhar um convite duplo para a antestreia de Le Mans 66 no próximo dia 13 de novembro às 21h30? Temos 10 para oferecer, em Lisboa e Leça da Palmeira, e para se habilitar só tem de participar no passatempo que está a decorrer na página de Instagram do Unibanco.

View this post on Instagram

“Le Mans ’66: O Duelo”, protagonizado pelos oscarizados Matt Damon e Christian Bale, é baseado na história real do visionário “car designer” Carroll Shelby (Damon) e do destemido piloto britânico Ken Miles (Bale). Juntos lutaram contra os regulamentos, as leis da física e os seus próprios demónios com o objetivo de construir um carro de corrida revolucionário para a Ford Motor Company e vencer os carros de Enzo Ferrari nas 24 Horas de Le Mans em França (1966). Para se habilitar a ganhar um dos 10 convites duplos para a antestreia no próximo dia 13 de novembro às 21:30, em Lisboa e Leça da Palmeira, só tem de: □ Seguir o perfil de Instagram @unibancopt □ Seguir o perfil de Instagram @20thcenturyfoxpt □ Escrever uma frase original e criativa nos comentários desta publicação com as palavras Unibanco e Le Mans ´66: O Duelo. Tem até dia 10 de novembro, às 23:59! Não se esqueça de indicar se está a concorrer para Lisboa ou Leça da Palmeira. Poderá consultar o regulamento na nossa página de Facebook. #Unibanco #émelhorqueunico #LeMans66ODuelo #20ThCenturyFoxPT #passatempocinema

A post shared by Unibanco (@unibancopt) on

Os Órfãos de Brooklyn

No mesmo dia de Le mans, 14 de novembro, estreia outro grande filme, Os Órfãos de Brooklyn, escrito, produzido, realizado e protagonizado por Edward Norton! Seria quase um One Man Show, não estivesse ele secundado por uma grande equipa, desde o elenco, no qual pontuam nomes como Alec Baldwin, Willem Dafoe, Gugu Mbatha-Raw ou Bruce Willis, até às equipas mais técnicas, do guarda-roupa à fotografia. Trata-se de um típico filme noir, um policial passado em Nova Iorque, nos anos 50, servindo as doses certas de drama, mistério e surpresa, à medida que acompanhamos o detetive privado Lionel Essrog, que sofre do síndrome de Tourette, tentando solucionar o assassinato do seu mentor.

Mulher em Guerra

É melhor não deixar para a semana o que pode fazer nesta, porque na semana seguinte (a partir de 21 de novembro) há mais novidades ainda. A começar por uma surpreendente coprodução franco/islandesa/ucraniana Mulher em Guerra.O filme aborda um tema bem atual: uma ativista ambientalista que se vê forçada a parar a sua luta para cumprir o sonho antigo de adotar uma menina. Mas antes, ainda quer planear algo em grande.

Enquanto a Guerra Durar

Enquanto a Guerra Durar é um filme do nosso país vizinho, realizado por Alejandro Amenábar (BAFTA com The Others, Óscar com Mar  Adentro), que volta a filmar em espanhol para retratar a acensão do general Franco ao poder, vista pelos olhos do intelectual Unamuno – que no início apoia a revolta, mas mais tarde se arrepende. Trata-se de um assunto muito presente ainda em Espanha, e fraturante, embora Amenábar “fuja” de certa forma desta luta ideológica para se focar no lado humano, nas emoções das personagens – e é isso que faz deste “Enquanto Durar” um grande filme.

Knives Out: Todos são suspeitos

Nesta lista também não podia faltar uma boa comédia  – e felizmente temos uma. Knives Out: Todos são suspeitos é um policial divertidíssimo, baseado num mistério dessa mente superior do género, Agatha Christie, mas passado na atualidade e com um elenco de luxo. Em qualidade e quantidade de atores. Tudo começa quando o detetive Benoit Blanc (Daniel Craig) é chamado a investigar a morte do escritor de policiais Harlan Thrombey (Christopher Plummer) após a sua festa de 85º aniversário realizada na propriedade. E todos na sua família disfuncional e empregados dedicados são suspeitos do crime. 

Frozen 2 – O Reino do Gelo

Last, but not least, não nos esquecemos dos mais novos. Como podíamos, quando este é o mês do tão aguardado regresso de Frozen, o Reino do Gelo (21 de novembro)? Trata-se de um dos maiores sucessos da Disney dos últimos tempos, e seguramente um em que a gigante norte-americana não poupou esforços para garantir que as novas gerações se vão continuar a deliciar com as aventuras de Elsa e Anna, mais os companheiros Kristoff e Olaf. E onde não faltará também mais uma banda sonora para ficar no ouvido. Já passou, já passou… Não… já voltou, já voltou…