Este website utiliza cookies para melhorar a navegação. Ao navegar no website estará a consentir a sua utilização. Para saber mais clique aqui.

Powered by

Unibanco
Super Bowl, o grande espetáculo americano Super Bowl, o grande espetáculo americano

Super Bowl, o grande espetáculo americano

Super Bowl, o grande espetáculo americano

A final do campeonato de futebol americano disputa-se já este domingo, dia 3 de fevereiro, e para a maioria dos americanos é o maior evento do ano.


Publicado em 01-Fev-2019

Esqueçam por uns instantes que os americanos insistem em chamar football a um desporto que é, maioritariamente, disputado com as mãos. Ou que para cúmulo inventaram outro nome, soccer, para um desporto conhecido precisamente por futebol em todo o mundo – até porque, este sim, é jogado com os pés (foot). Esqueçam tudo isto porque este fim de semana disputa-se o Super Bowl, a final da National Football League, e o Super Bowl é um espetáculo. Uma mega organização de entretenimento como só os americanos sabem montar, onde tudo o que acontece à volta é (quase) tão importante quanto o jogo em si.  

Reparem nos anúncios ao intervalo: são os mais caros da história da televisão – 5 milhões de dólares por meros 30 segundos, ou 166 666 dólares por segundo! O seu impacto é tão grande que as marcas preparam filmes publicitários especiais, especificamente para este precioso tempo de antena. E resulta: alguns comerciais ficaram para a história como o anúncio da Apple “1984“, em que apresentava o primeiro Mac, o da Pepsi em 1992, com uma jovem Cindy Crawford. Pode ver aqui um best of dos mais divertidos, afinal, um em cada cinco espectadores admite não perder o Super Bowl também por causa deles.

Aqui o intervalo é mesmo a pior altura para ir à casa de banho, porque temos ainda o Halftime Show, um concerto que junta grandes nomes da música americana, e onde já se fizeram atuações memoráveis: Justin Timberlake o ano passado, com uma homenagem genial a Prince, Lady Gaga em 2016, ou Bruno Mars, antes, que surpreendeu todos convidando os Red Hot Chili Peppers a partilharem o palco, são apenas três exemplos entre muitos. E nenhum deles é pago para actuar – fazem-no pelo prestigio! Este ano, o Halftime Show estará a cargo dos Marron 5 pelo que não faltarão hits como One More Night, Moves Like Jagger, Girls Like You ou Sugar. Músicas muito capazes de levantar um estádio.

Super Bowl, o grande espetáculo americano | Unibanco

Mas se ainda continua interessado no jogo propriamente dito, saiba então que o embate será entre os New England Patriots, campeões da Conferência Americana (AFC), e os Los Angeles Rams, da Conferência Nacional (NFC). À partida os Patriots são favoritos, até porque continuam a contar com um Tom Brady (também conhecido por marido da supermodelo Gisele Bündchen) ao melhor nível e, se triunfarem, igualam os Pittsburgh Steelers no topo da lista dos vencedores, com seis títulos no total. Além disso estiveram em três dos últimos quatro Super Bowls, em nove desde 2001. Será a segunda final entre os dois franchises, tendo a primeira ocorrido em 2002, mas então os Rams eram de St. Louis, e chamavam-se os St Louis Rams – outra originalidade americana que permite à mesma equipa ter sido Cleveland Rams (1936-1945), Los Angeles Rams (46-94), St Louis Rams (1995 – 2015), e desde 2016 de volta a L.A. Dessa vez venceram os Patriot, mas e agora?

Na antecipação do jogo gelam-se six-packs de cerveja em cascata e preparam-se toneladas de hot dogs e hambúrgueres, porque esta é a altura do ano em que os americanos mais comem, logo atrás do Thanksgiving, o Dia de Acção de Graças, e mais até do que no Natal. Comem-se 1,3 mil milhões de chicken wings e gastam mais de 1,3 mil milhões de dólares em cerveja. Depois, sentam-se todos em frente à televisão. O Super Bowl tem sempre as maiores audiências da televisão americana e mesmo uma das maiores em todo o mundo – sendo que depende quase exclusivamente dos adeptos do Tio Sam. As audiências globais ficam muito à frente dos Jogos Olímpicos ou dos Óscares, e só perdem para as finais da Liga do Campeões Europeus, do Campeonato da Europa, e do Campeonato do Mundo. Ou seja, só perdem para o verdadeiro football – mas, nestes casos, os espetáculos ao intervalo deixam muito a desejar.

Se quiser juntar-se às audiências pode através do serviço de streaming da Eleven Sports que traz o jogo pela primeira vez para Portugal. Ou então, se estiver em Lisboa, juntar-se à viewing party no bar The Couch, no Cais do Sodré.